A escassez de recursos qualificados na área das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) tem potenciado o desenvolvimento de diversas ações de reforço de competências e desenvolvimento profissional nas áreas tecnológicas e de inovação.

Para acelerar e equilibrar os esforços entre a oferta e a procura, a APDC – Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações – juntou o Governo, os Institutos Politécnicos e o IEFP (Instituto do Emprego e Formação Profissional) para lançar o Programa UPskill, iniciativa de âmbito nacional destinada à qualificação e ao aumento da oferta de profissionais na área das TIC. 

As empresas como motor do desenvolvimento profissional

Este programa altera o paradigma e coloca as empresas no centro motor para o desenvolvimento profissional dos talentos nacionais. O principal objetivo é identificar quais as competências com maior escassez no mercado e garantir que o desenvolvimento profissional está totalmente alinhado com a qualificação dessas competências chave, assegurando um perfect match entre a oferta e a procura.

Neste sentido, o Programa arranca com mais de 30 empresas tecnológicas fundadoras, essenciais para o sucesso do projeto.

Upskilling e reskilling: em que consiste?

Este Programa integra duas formas de desenvolvimento profissional identificadas como:

  • Upskilling, que consiste na melhoria das competência profissionais onde o talento já possui conhecimentos;
  • Reskilling, onde é efetuada a requalificação das competências profissionais, neste caso, para a área das TIC.

Estas ações são cruciais para conseguirmos dar resposta às necessidades do mercado nacional e acelerar a oferta.    

Uma abordagem integrada e comprovada

Este programa está dividido em três fases principais, onde cada um dos stakeholders tem um papel primordial: 

1. Identificação das competências chave TIC para os próximos 3 anos (Empresas);

2. Desenvolvimento de novos conteúdos pedagógicos e programas intensivos de formação (6 meses), alinhados com as competências identificadas (IEFP, Institutos Politécnicos e Empresas);

3. Integração dos talentos para formação on-the-job (Empresas).

Um objetivo ambicioso, mas concretizável

O principal objetivo é formar, no mínimo, três mil profissionais por ano, para acelerar a integração de profissionais qualificados em funções de elevada procura.

A Gfi continua a apostar no desenvolvimento do talento

Este Programa está alinhado com os objetivos estratégicos da Gfi, como motor do desenvolvimento e da qualificação profissional de talentos nacionais, onde já dedicou mais de 35 mil horas de formação em tecnologias chave, através do seu programa Gfi Academy e de iniciativas internas de formação.  

Continuamos empenhados em garantir e promover a aceleração destas iniciativas e práticas inovadoras e diferenciadoras de retenção do nosso Talento.

---

O anúncio oficial decorreu no Porto, na 3ª Conferência do Fórum Permanente para as Competências Digitais - INCoDe.2030 - onde o nosso Paulo Soberano, Head of Application Services, subiu ao palco para assinalar o momento. 

Palavras-ChaveTalentUPskill

Partilhar